Edição 17 - agosto e setembro/2013

Violência no ambiente escolar


Professora e psicóloga analisa a violência na escola e os reflexos na vida do docente

Por Lideli Crepaldi*
Toda semana são noticiados casos de violência nas escolas brasileiras. Infelizmente, o problema não é um exagero criado pela mídia, mas sim uma realidade enfrentada diariamente por milhares de professores das redes pública e privada.
Dentre os casos mais comuns de violência, podemos citar as ameaças feitas por alunos a professores, sobretudo a respeito de baixo rendimento escolar. Uma nota abaixo da média nem sempre é entendida como um alerta para que o aluno melhore e estude com mais afinco: para muitos estudantes, a nota é compreendida como ofensa pessoal. Alguns ficam no enfrentamento verbal, enquanto outros partem para agressão física ou danos a bens do professor, sobretudo carros (pneus furados são os relatos mais comuns). Depredações a patrimônios da escola e arrombamentos de salas também integram o vasto rol de atitudes violentas no ambiente escolar. O tipo de violência mais comum, entretanto, se dá entre os próprios estudantes.
Apesar de a violência física estampar um número muito maior de manchetes, é a violência moral que mais assusta aos professores de todos os níveis de ensino, desde o Infantil ao Superior. Xingamentos, gestos obscenos, perturbações, indisciplina. Problemas que atrapalham o andamento das atividades pedagógicas e os relacionamentos dentro da escola. Os casos de bullying – a violência moral entre os próprios alunos – também chocam educadores e familiares, inclusive ultrapassando os muros da escola e chegando ao ambiente virtual, onde situações vexatórias de alunos podem ser acessadas por qualquer pessoa.
Apontar as causas para a violência no ambiente escolar é uma tarefa árdua, que demanda uma grande quantidade de informações, estatísticas, pesquisas e, até mesmo, suposições. Problemas familiares, de relacionamento, baixa autoestima, falta de segurança, drogas, pouca participação dos familiares, exclusão social, entre outras, são algumas das possíveis origens para a violência. Na realidade, situações violentas no âmbito escolar espelham os problemas sociais e o clima violento presentes no País e no mundo.
Contudo, sabe-se que a solução para a violência não está unicamente na repressão, mas sim num projeto político-pedagógico que contemple outras instâncias além do ensino-aprendizado. É preciso envolver os familiares, a comunidade e o poder público para que o problema seja discutido e novas ações sejam planejadas para minimizar o problema. Afinal, não é somente na escola que aprendemos novos valores e perspectivas.
Uma das soluções encontradas pelas escolas é envolver, cada vez mais, os alunos em projetos fora da sala de aula, que tornem a experiência acadêmica muito mais ampla e prazerosa do que o ensino tradicional. É preciso que o professor esteja ciente de que, por vezes, se a classe vive situações conflituosas, vale mais a pena estimular uma conversa do que ministrar uma aula que não será bem aproveitada. Se o aprendizado do conteúdo é importante, fundamental mesmo é promover a criação de laços de solidariedade entre a comunidade acadêmica, fornecer subsídios para o exercício pleno da cidadania e preparar os estudantes para uma vivência ética em sociedade.

* Profª Drª Lideli Crepaldi – psicóloga e professora na Universidade de São Paulo (USP), na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS) e no Centro Universitário Fundação Santo André, e sócia do SINPRO ABC

Pesquisa realizada pelo Sinpro Minas revela dados sobre condições de saúde dos professores

O Sinpro Minas divulgou, em abril, a pesquisa inédita que mapeia as condições de saúde e trabalho dos docentes da rede privada de ensino de todo o território mineiro, e revelou o elevado percentual de professores que alegam sofrer cansaços físico e mental (92,84%).
De acordo com o estudo, para 82,58% da categoria, a exigência de cumprimento de prazos é o principal motivo que torna o ambiente institucional ameaçador. Já a principal causa de desgaste entre os docentes encontra-se na relação direta entre aluno e professor, com 40, 25% das respostas.
Outro dado que preocupou o sindicato diz respeito à violência no ambiente escolar: aproximadamente 41% dos professores reclamaram que já foram agredidos ou ameaçados por alunos pelo menos uma vez.
Ainda segundo a pesquisa, há uma associação direta entre o número de alunos em sala de aula e a possibilidade de o professor apresentar problemas de saúde, como rouquidão e dores de cabeça, e um dos maiores motivos de afastamento na categoria está relacionado a dores nas pernas.
Apesar da pesquisa retratar as condições de trabalho em Minas Gerais, é possível identificar semelhanças em escolas em todos as cidades, inclusive no ABC.
Com informações do Sinpro Minas.

Tags:, ,

10 respostas para “Violência no ambiente escolar”

  1. Marcos disse:

    Vc é a pessoa mais surpreendente que já conheci.

  2. Glaci disse:

    Achei muito interessante o assutno estou fazendo minha monografia focada na postura do professor frente a situações de violencia vivenciadas no ambiente escolar. Foi muito proveitosa a leitura deste artigo. Glaci

  3. Pedro Pizzi disse:

    muito interesante

  4. jaqueline oliveira disse:

    Muito obrigada por ter redigido esse texto pois me ajudo na minha redação de escola!!!

  5. Erielly santos disse:

    precisava mesmoo ouvir um pouco mais sobre isso!

  6. sandra mara disse:

    Excelente conteúdo ,…Preciso escrever assim rsrs…

  7. patricia veras disse:

    È essa leitura e muito iteressate”Parabens”

  8. Esther Barcelos disse:

    hum!muito interessante mim ajudou muito.

  9. Esther Barcelos disse:

    legal mim ajudou muito.

  10. Ana Lúcia Vaz da Costa disse:

    Adoro ler artigos inteligentes, me servem de apoio para realizar alguns trabalhos escolares…

Deixe uma resposta

SINPRO ABC

TVs

________________________

Copyright 2010 - Sindicato dos Professores do ABC - Todos os direitos reservados - Desenvolvido com WordPress - 3 Usuários online

Redacao: Sindicato dos Professores do ABC - Rua Pirituba, 61/65 - B. Casa Branca - Santo Andre - Sao Paulo - Brasil - Free counter and web stats

www.sinpro-abc.org.br - E-mail: sinpro@sinpro-abc.org.br